segunda-feira, 29 de junho de 2009

CUIDADOS AO RECÉM-NASCIDO


A partir da alta a mulher conta, principalmente, com o que é transmitido pelos familiares e amigos. Isto significa, muitas vezes, que vai receber informação desactualizada ou descontextualizada.
Há procedimentos em relação aos recém-nascidos que evoluíram nos últimos anos e protocolos de actuação que são diferentes consoante a instituição ou a situação que se nos apresenta, como se comprova reflectindo nos exemplos que se seguem.
O banho do recém-nascido é dado, hoje, de modo diferente, por exemplo, há alguns anos atrás colocava-se o recém-nascido na banheira procedendo-se ao banho sem prevenção da perda da sua temperatura corporal. As mesmas discrepâncias se verificam em relação, por exemplo, ao posicionamento do recém-nascido na prevenção da síndrome de morte súbita cujas indicações já passaram por deitar de lado ou ainda de barriga para baixo; aos cuidados ao coto umbilical em que já se utilizou álcool, água oxigenada e eosina; na amamentação, por exemplo, em relação ao tempo que o recém-nascido deve permanecer em cada mama (antes ensinava-se que devia mamar cerca de dez minutos em cada mama e hoje sabe-se que deve mamar numa mama até a esvaziar e só depois, se ainda o desejar, mamar na outra, alternando as mamas na mamada seguinte). Outro ponto em que a pressão da rede social é bastante evidente é na segurança no transporte das crianças em geral, mais especificamente no dos recém-nascidos em que há uma noção (errada mas bastante divulgada) de que o bebé vai mais seguro ao colo da mãe do que na cadeirinha dentro de um carro.

Segue-se apenas um exemplo prático deste ensino na forma em que é mais utilizado em Maternidades da zona centro:
1. Prepara-se o espaço e o ambiente do local, escolhe-se e organiza-se a roupa que se vai usar (considerando o princípio de que o recém-nascido deve vestir uma camada a mais do que a mãe) abrindo todos os botões e colocando-a pela ordem inversa àquela em que vai ser usada sobre uma fralda de pano limpa.
2. Dispõe-se o material a utilizar do modo mais funcional possível: toalhetes, fralda descartável, gel de banho ou sabonete adequados, toalha e banheira.
3. Coloca-se a água fria na banheira e depois a quente, temperando de modo a que fique quente mas não a escaldar para evitar acidentes ou perdas de temperatura.
4. Despe-se o recém-nascido, avaliando se existe alguma alteração relevante, deixando a fralda e imobilizando-o com a toalha.
5. Pega-se no recém-nascido colocando-o sob o braço apoiando com o mesmo e suportando o dorso e o pescoço com a mão, utilizando a outra para reavaliar a temperatura da água com zonas mais sensíveis: pulso, costas da mão e cotovelo.
6. Começa-se por lavar os olhos, de dentro para fora para não entupir os canais lacrimais, do olho mais limpo para o mais o mais sujo, um de cada vez, passando de seguida à cara. Só aí se utiliza o gel ou o sabonete para lavar o cabelo com o cuidado de não deixar escorrer água para os ouvidos, secando toda a cabeça de seguida.
7. Depois de secar deixa-se a toalha preparada para receber o recém-nascido e retira-se a fralda, pegando no braço do recém-nascido circundando-o com o polegar e o indicador de modo a apoiar o seu pescoço no pulso para evitar acidentes, pousando-o sem largar na banheira.
8. Lava-se, então, o pescoço, os braços e as mãos, o tronco (com especial atenção à zona do coto que deve ficar bem lavada para evitar infecções) e as pernas, virando posteriormente o recém-nascido, apoiando-o de forma a que fique com o braço circundado pelo polegar e indicador e com o peito apoiado no pulso, lavando as costas e, finalmente, os genitais e a região anal.
9. Coloca-se o recém-nascido de novo na toalha e seca-se o melhor possível para evitar perda de temperatura, passando, de seguida, para uma a fralda de pano limpa e seca ao pé da roupa.
10. Coloca-se a fralda e seca-se o coto umbilical com a compressa esterilizada avaliando a existência de possíveis alterações e dobrando a fralda de forma a que o coto fique isolado do contacto com urina ou fezes (cuidados a manter enquanto não se der a queda do coto) e colocando pomada indicada apenas se houver justificação para tal.
11. Veste-se o recém-nascido respeitando as precauções referentes às mangas de modo a evitar trauma e garante-se que o recém-nascido fica confortável e seguro. Para isto deverá ficar deitado de barriga para cima, lateralizando-se a cabeça, com os pés a tocar no fundo da cama e com a roupa entalada debaixo dos braços.

Sem comentários:

Publicar um comentário